quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Ricardo Araújo Pereira

Ricardo Araújo Pereira é conhecido como humorista, tendo sido projectado para a fama pelo sucesso dos Gato Fedorento. Para além disso, é um belíssimo cronista que publica semanalmente os seus textos na Revista Visão. Para ir lendo as crónicas, basta seguir esta ligação.

Como aperitivo, fica aqui uma crónica acerca de Cristiano Ronaldo.






Um abraço para Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo acaba de ganhar mais um prémio importante e, no entanto (ou por causa disso), muitos estrangeiros odeiam-no, e alguns portugueses toleram-no com aquele desprezo manso que se dedica aos rústicos. Dizem "Cristiano Ronaldo" articulando todas as sílabas com escárnio, sublinhando toda a cristianoronaldice do nome. Essa gente maldosa sabe o que faz: o nome foi a única vantagem com que Cristiano Ronaldo nasceu. É um nome que indica ao seu proprietário a carreira que deve seguir. Um nome psicotécnico: um arquitecto Cristiano Ronaldo sabe que nunca vencerá o Pritzker, e um engenheiro Cristiano Ronaldo nunca será quadro de topo da Mota-Engil - a menos que tenha sido ministro das Obras Públicas, mas infelizmente o cargo de ministro também está vedado a Cristianos Ronaldos, como é óbvio. Não, assim que um miúdo recebe o nome de Cristiano Ronaldo, pode começar a engraxar as chuteiras: já sabe que vai ser jogador de futebol.
Foi a única vantagem com que Cristiano Ronaldo nasceu. Tudo o resto foi conseguido por ele. É por isso que, ao contrário do que parece ser a opinião geral, considero que Cristiano Ronaldo é modesto e casto. Modesto e casto, digo bem. E justifico: Ronaldo nasceu, há 26 anos, num lugarejo esquecido da Madeira. À custa exclusivamente do seu esforço, conseguiu ser considerado o melhor do mundo no seu ofício. É isso que faz dele modesto. No lugar dele, tendo feito os sacrifícios que ele fez e obtido o que ele obteve, eu teria mandado fazer um cartaz, todo em néon, com os dizeres "Eu sou o grande Cristiano Ronaldo" e uma seta fluorescente a apontar para mim, pendurava-o ao pescoço e não saía de casa sem ele. Que ele, de vez em quando, dê uma entrevista em que arrisca um tímido elogio a si mesmo, para mim, é sinal de humildade.
Além disso, recordo que Ronaldo tem 26 anos. Parece que se dedicou em exclusivo a uma russa quando tem 400 russas, 650 suecas, 890 finlandesas - e por aí adiante, por esse atlas afora - a baterem-lhe à porta. Qualquer rapaz normal de 26 anos que já tivesse ganho o suficiente para nunca mais precisar de trabalhar na vida faria uma curta interrupção sabática de 40 anos no futebol para se dedicar em exclusivo às estrangeiras e ao álcool, como muitos antes dele tiveram o discernimento de fazer. Entre a pândega e o trabalho, Cristiano Ronaldo optou por meter na cabeça que vai bater todos os recordes anteriormente estabelecidos pelos melhores jogadores da história, e parece bem lançado para o fazer. Escolheu mal, evidentemente, até porque aos 26 anos não temos ainda a maturidade para distinguir aquilo que é mais importante na vida, e os cantos de sereia da ética do trabalho conseguem fazer com que muito jovem imaturo abandone uma vida de libertinagem para cair tragicamente nos braços da competência profissional. Comparado com o que podia ser, Cristiano Ronaldo é um monge. Há padres mais devassos do que ele. Felizmente, eu sou capaz de perdoar as falhas de carácter mais graves, e não o admiro menos por causa disso.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Um passeio pelo Rio Mondego

Um investigador português realizou um documentário em língua inglesa sobre a vida selvagem no Rio Mondego.  Podem ver uma pequena apresentação, com declarações do autor. O documentário completo demora quinze minutos e não tem legendas. Mesmo que tenham dificuldades em compreender a língua, as imagens valem por si.




quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Uma história todos os dias

Na página História do Dia, é possível ler ou ler e ouvir um pequeno conto todos os dias. Na barra lateral, há recursos relacionados, sendo de realçar o Arquivo, com as histórias publicadas ao longo de um ano, ou o Glossário, onde poderão ser encontrados os significados das palavras menos conhecidas. Boas leituras e boas audições.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Montes de notícias!


Através da página http://www.eusou.com/jornalista/, temos acesso a ligações de jornais e revistas de todo o mundo. Para além disso, há muitos outros recursos importantes para profissionais da comunicação social ou para qualquer cidadão que se queira manter informado: portais de fotografia, rádios, blogues, listas telefónicas internacionais ou cartoons. Há muito para escolher e muitíssimo para explorar.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Prontuário sonoro



Um prontuário é, normalmente, um livro que permite resolver rapidamente algumas dúvidas relativas a uma determinada área. No campo da língua, os prontuários costumam ter, por exemplo, uma lista das principais palavras, a correção dos principais erros cometidos pelos falantes ou uma relação dos nomes próprios, entre muitas outras utilidades.
A RTP proporciona aos navegadores da internet um Prontuário Sonoro, "uma coleção, em atualização permanente, de palavras da língua materna que apresentem dificuldades ou dúvidas de pronúncia e de outras de línguas estrangeiras com uso continuado no audiovisual português (por exemplo, termos científicos, nomes de escritores, artistas e políticos, nomes de lugares, etc.)."
Imaginem que vos surge uma dúvida acerca da pronúncia de uma palavra. No topo, optam pela ligação "Palavras" e verão uma enorme lista que poderá ser percorrida por ordem alfabética, sendo, também, possível, usar a caixa de pesquisa para se encontrar diretamente a palavra desejada. Basta, então, clicar no ícone semelhante a um megafone e poderão ouvir a pronúncia correta.
Trata-se de um instrumento útil, a merecer divulgação e uso.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Conjugar verbos, um problema resolvido




O Português é uma língua difícil e uma das grandes dificuldades está na conjugação verbal. Com o auxílio do Lx Conjugator, será possível tirar dúvidas num instante, bastando escrever o infinitivo e esperar pela aparição do verbo completa e certeiramente conjugado.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Uma cantiga de D. Dinis

-Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo!
     Ai Deus, e u é?

Ai, flores, ai flores do verde ramo,
se sabedes novas do meu amado!
     Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pos comigo!
     Ai Deus, e u é?

Se sabedes novas do meu amado
aquel que mentiu do que mi ha jurado!
     Ai Deus, e u é?

-Vós me preguntades polo voss'amigo,
e eu ben vos digo que é san'e vivo.
     Ai Deus, e u é?

Vós me preguntades polo voss'amado,
e eu ben vos digo que é viv'e sano.
     Ai Deus, e u é?

E eu ben vos digo que é san'e vivo
e seerá vosc'ant'o prazo saído.
     Ai Deus, e u é?

E eu ben vos digo que é viv'e sano
e seerá vosc'ant'o prazo passado.
     Ai Deus, e u é?


Esta é uma das cantigas mais conhecidas de D. Dinis. Trata-se de uma cantiga de amigo, isto é, de um texto em que podemos imaginar a voz de uma mulher a falar do seu namorado.
Nas primeiras quatro estrofes, a mulher dirige-se às flores, perguntando-lhes se sabem notícias do amado que teria combinado um encontro. Presa da ansiedade, a mulher parece pensar que ele faltará a esse encontro. Por outro lado, o facto de ter como único confidente a Natureza quer dizer que, neste momento, a mulher está sozinha, o que nos pode levar a pensar que seria um encontro amoroso num local isolado.
Nas últimas quatro estrofes, as flores, surpreendentemente, respondem-lhe, garantindo que o amado irá cumprir o prometido. Sabendo-se que as flores não falam ou que, pelo menos, não conseguimos ouvi-las, provavelmente funcionam, aqui, mais como a manifestação do desejo que a própria senhora sentiria.
O que levaria um homem a escrever, assumindo uma voz feminina? Provavelmente, seria uma maneira de imaginar uma situação por ele desejada: um encontro a sós com uma mulher que o espera ansiosamente.

D. Dinis, rei e poeta, nasceu há 750 anos


No dia 9 de outubro de 1261, há 750 anos, nascia aquele que viria a ser uma das figuras mais fascinantes da História medieval portuguesa, D. Dinis. Foi o sexto rei de Portugal e, entre muitos outros factos que merecem referência, contribuiu para a fundação da Universidade e obrigou a que toda a documentação oficial passasse a ser em Português e não já em Latim. Para além disso, casou-se com Isabel de Aragão, que viria a ser canonizada, sendo hoje a padroeira da cidade de Coimbra.
Nas artes, D. Dinis foi autor de 137 composições trovadorescas, cobrindo todos os géneros, sendo, por muitos, considerado um dos maiores poetas portugueses de sempre. De tal modo a literatura lhe corria nas veias que dois dos seus filhos, D. Pedro, Conde de Barcelos, e D. Afonso Sanches, viriam a ser igualmente trovadores e homens de letras.
Podem consultar uma biografia no Portal da História.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Dia Europeu das Línguas - Mirandês


É sempre bom lembrar que, na Europa, há mais línguas do que países e Portugal não é execeção. O Mirandês é uma língua de pleno direito, minoritária e não menor.

Se seguirem esta ligação, poderão ler um texto em mirandês. Aqui, têm um pequeno dicionário Mirandês-Português e vice-versa

Dia Europeu das Línguas

Hoje, é o Dia Europeu das Línguas. Aqui fica um quadro que nos ajuda a sermos educados em vários pontos da Europa. Se quiserem saber mais ou se quiserem confirmar o que já sabem sobre as línguas europeias, podem fazer este teste.

Alemão
Guten Morgen
Húngaro
Jo reggelt
Checo
Dobre rano
Inglês
Good morning
Dinamarquês
God morgen
Italiano
Buon giorno
Eslovaco
Dobre rano
Letão
Labrit
Esloveno
Dobro jutro
Lituano
Labas Rytas
Espanhol
Buenos días
Maltês
L-Ghodwa t-tajba
Estónio
Tere hommikust
Neerlandês
Goedemorgen
Finlandês
Hyvää huomenta
Polaco
Dzień dobry
Francês
Bonjour
Português
Bom dia
Grego
Kalimera
Sueco
God morgon

Acordo Ortográfico



A partir do presente ano letivo, as escolas são obrigadas a adotar o Acordo Ortográfico. Convém, portanto, conhecê-lo, mesmo que seja para o criticar. Aqui ficam alguma ligações úteis:

http://www.priberam.pt/docs/acortog90.pdf - não é o "Diário da República", mas tem o texto oficial do Acordo. 

http://www.portaldalinguaportuguesa.org/?action=lince - entrando nesta página, podemos ter acesso a informações sobre o Acordo Ortográfico e a um conversor que permite transformar um texto escrito na antiga ortografia num outro já vestido pelo Acordo.

http://www.portoeditora.pt/acordo-ortografico/conversor-texto/ - a Porto Editora deixa aqui um outro conversor.

http://ilcao.cedilha.net/ - nesta página, é possível ler as opiniões de cidadãos que se manifestam contra o Acordo Ortográfico.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Feira do Livro do Porto

Está a decorrer, até dia 12 de Junho, a Feira do Livro do Porto, na Avenida dos Aliados.
Vale a pena aproveitar os dias de sol que se aproximam, para nos aproximarmos mais dos livros e da cidade.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Ciberdúvidas - o princípio do fim das dúvidas



Este site é um clássico da Internet portuguesa e, até, lusófona. O principal objectivo é o de permitir ao navegador virtual desfazer dúvidas relacionadas com a língua portuguesa. A quantidade e a qualidade de informação armazenada e actualizada são inestimáveis. Para além disso, é sempre possível enviar dúvidas, sendo que há garantia absoluta de obter resposta dos vários especialistas ligados a este magnífico projecto.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Música portuguesa de Norte a Sul


Na página do Instituto Camões, é possível encontrar um mapa etno-musical de Portugal e ficar a conhecer as músicas e os instrumentos típicos de cada região. Basta ligar as colunas e dar início à viagem.

domingo, 1 de maio de 2011

Perguntas de um Operário Letrado

Poema de Bertolt Brecht dito por Mário Viegas. Para que alguns tenham ficado na História, houve muitos outros de que ninguém se lembrará.


Dia do Trabalhador

Hoje, comemora-se o Dia do Trabalhador. Em tempos tão difíceis, convém saber alguma História e algumas histórias:




O Menino de Sua Mãe

Um poema de Fernando Pessoa dito por João Villaret

Poema à Mãe - Eugénio de Andrade

Um desafio: decorem ou imprimam o poema e declamem-no à vossa mãe.


No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe!

Tudo porque já não sou
o retrato adormecido
no fundo dos teus olhos!


Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais!


Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.


Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura!


Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos...


Mas tu esqueceste muita coisa!
Esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!


Olha - queres ouvir-me? -,
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;


ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;


ainda oiço a tua voz:
"Era uma vez uma princesa
no meio de um laranjal..."


Mas - tu sabes! - a noite é enorme
e todo o meu corpo cresceu...


Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber.


Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas...

Dia da Mãe


Por estranho que possa parecer, aquilo que mais vemos é aquilo de que menos nos lembramos. Nas ruas por onde passamos todos os dias, há um prédio estranho, uma porta extravagante ou uma árvore exótica, tudo coisas que não vemos, porque nos limitamos a olhar. Nunca vos aconteceu passarem por uma rua vossa quotidiana com um amigo que vos chama a atenção para um pormenor que vos passou despercebido durante dias, meses ou anos? É, então, que dizemos “Passo aqui há tanto tempo e nunca tinha reparado nisto!”
Os dias comemorativos servem para nos lembrarmos daquilo que é tão habitual que se torna invisível. A mãe é um desses hábitos. Aqui, no blogue, ficam alguns pedaços de arte contra a invisibilidade a que, tantas vezes, sujeitamos a mãe.
Que, este ano, o Dia da Mãe coincida com o Dia do Trabalhador deve ser interpretado como uma homenagem ao mais belo trabalho do mundo: ser mãe.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

25 de Abril de 1974: Grândola, Vila Morena

"Grândola, Vila Morena" é a canção composta e cantada por Zeca Afonso que foi escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) para ser a segunda senha de sinalização da Revolução dos Cravos. A canção refere-se à fraternidade entre as pessoas de Grândola, no Alentejo, e teria sido banida pelo regime salazarista como uma música associada ao Comunismo. Às zero horas e vinte minutos do dia 25 de abril de 1974, a canção era transmitida na Rádio Renascença, a emissora católica portuguesa, como sinal para confirmar as operações da revolução. Por esse motivo, a ela ficou associada, bem como ao início da Democracia em Portugal.


25 de Abril de 1974: E Depois do Adeus

Com a transmissão de "E Depois do Adeus", pelos Emissores Associados de Lisboa às 22h55m do dia 24 de Abril de 1974, era dada a ordem para as tropas que iriam fazer a revolução se prepararem e estarem a postos.


quinta-feira, 31 de março de 2011

O bico de Bunsen começou há 200 anos




Há 200 anos, nasceu Robert Bunsen, que viria a ser um dos grandes químicos da História. Entre as várias marcas que deixou no âmbito da sua actividade, realça-se o queimador que desenvolveu e que ficaria conhecido por bico de Bunsen.

D. Sancho I morreu há 800 anos






Com alguns dias de atraso, lembramos o rei D. Sancho I, que morreu há 800 anos, no dia 26 de Março de 1211. Está sepultado na Igreja de Santa Cruz, em Coimbra, tal como o pai, D. Afonso Henriques.









quarta-feira, 30 de março de 2011

Centro Virtual Camões: para gente de todas as idades

O Instituto Camões é uma instituição dependente do Ministério dos Negócios Estrangeiros e tem como objectivo contribuir para a divulgação da língua portuguesa, através de várias actividades.
O Centro Virtual Camões é uma das criações do referido Instituto e é a nossa visita de hoje. Se é certo que a maior parte dos conteúdos é destinada aos professores de Português ou a estrangeiros que desejam aprender Português, há muitos materiais interessantes para todos e de todas as idades.
À direita, está o acesso à Biblioteca Digital Camões. Aí, há a possibilidade de descarregar vários livros e revistas para o computador. Os temas são variados: Arte, Literatura, Ciência ou História, entre muitos outros. Como aperitivo, fiquem a saber que é possível obter uma edição do Auto da Barca do Inferno.
Do lado esquerdo, a ligação Aprender dá acesso a vários jogos e actividades para diversos níveis etários. Pode-se escolher o jogo da forca para aumentar o vocabulário ou testar a compreensão de textos, através da escolha múltipla.
Clicando em Conhecer, podemos consultar bases de dados sobre temas como a Ciência em Portugal ou o Cinema Português, visitar exposições virtuais, passear pelo mapa etno-musical português, obter informações sobre passeios em Portugal ou conhecer efemérides culturais.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Dia Mundial da Poesia - Outono

Outono

Uma vez um homem encontrou duas folhas e entrou em casa segurando-as com os braços esticados, dizendo aos pais que era uma árvore.

Ao que eles disseram então vai para o pátio e não cresças na sala pois as tuas raízes podem estragar a carpete.

Ele disse eu estava a brincar não sou uma árvore e deixou cair as folhas.

Mas os pais disseram olha é outono.

Ramón Palomares (trad. José Alberto Oliveira)

Dia Mundial da Poesia - Liberdade, um poema contra a leitura

Um poema de Fernando Pessoa dito por João Villaret, outro extraordinário declamador.



LIBERDADE

        

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
O sol doira
Sem literatura.
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

O mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...
s. d.

Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995).

Dia Mundial da Poesia - Poesia visual


Um poema de Mário Castrim

Dia Mundial da Poesia - Rifão quotidiano

Vejam e ouçam Mário Viegas, um dos grandes declamadores portugueses, a dizer um poema de Mário-Henrique Leiria.



RIFÃO QUOTIDIANO
Uma nêspera
estava na cama
deitada
muito calada
a ver
o que acontecia
chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera
e zás comeu-a
é o que acontece
às nêsperas
que ficam deitadas
caladas
a esperar
o que acontece

Hoje é o Dia Mundial da Poesia

Hoje, é o Dia Mundial da Poesia. É, portanto, o Dia Mundial da Humanidade, porque não há homem sem linguagem e toda a linguagem procura ser poesia. A poesia é a linguagem em absoluta liberdade e chega a ser libertinagem. Na poesia, vale tudo, até inventar palavras que não existem.
Há quem se queixe de que a poesia é complicada. Aqui, no blogue da Biblioteca, não vamos negar: é complicada. Por isso é que vale a pena, como todas as coisas complicadas. Por ser complicada é que devemos enfrentá-la e deixarmo-nos derrotar.
Hoje, também aqui, vamos enfrentar a poesia e comemorá-la. Hoje, aqui, é só mais um Dia Mundial da Poesia, um dia igual aos outros.

sábado, 19 de março de 2011

Dia do Pai - mais uma música

O extraordinário guitarrista Andy Mckee toca uma música: "For my father"

Dia do Pai - uma música

Um clássico de Cat Stevens: "Father and son"

Dia do Pai


Se quiserem passar pela página Júnior dedicada a este dia, poderão ficar a saber algumas curiosidades ou aprender a fazer uma prenda para oferecer ao pai. Também poderão escolher dois postais virtuais que lhe poderão enviar para o email. Por falar em postais, se optarem por entrar aqui, poderão ver aumentada a possibilidade de escolha. Em Espanha e em Itália, o Dia do Pai é, também, comemorado no dia 19 de Março, chamando-se, respectivamente, Día del padre e Festa del papà.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Portal da Língua Portuguesa








O Portal da Língua Portuguesa é um repositório organizado de recursos linguísticos. Pretende ser orientado tanto para o público em geral como para a comunidade científica, servindo de apoio a quem trabalha com a língua portuguesa e a todos os que têm interesse ou dúvidas sobre o seu funcionamento. Todo o conteúdo do Portal é de livre acesso e está em constante desenvolvimento. 
Neste espaço, o recurso central é o Vocabulário Ortográfico do Português, onde é possível encontrar todas as informações relativas à flexão e à ortografia das palavras, já de acordo com o novo Acordo Ortográfico.
Imaginem que têm dúvidas acerca de uma forma verbal: escreve-se quis ou quiz? Se escreverem “quiz” na caixa de diálogo no canto superior direito e premirem o botão “OK”, aparecerá o resultado que podem ver mais abaixo. Ficarão a saber que é “quis”.

Para além disso, existem várias bases de dados como o Dicionário de Gentílicos e Topónimos, o Dicionário de Estrangerismos ou o Dicionário de Nomes Deverbais, entre outros recursos que merecem ser conhecidos e explorados.
Não sabem o que significa “gentílicos” ou “topónimos”? Aproveitamos para lembrar que, neste vosso blogue, aqui do lado direito, em “Ligações”, já está acessível o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Literatura portuguesa - a maior base de dados

O Projecto Vercial apresenta-se como “A maior base de dados sobre Literatura Portuguesa”. As ligações visíveis à esquerda de quem entra permitem o acesso a textos por autor ou por ordem cronológica, sendo possível encontrar D. Dinis ou Manuel António Pina, entre muitos outros escritores, desde régios a plebeus. Para além disso, a ligação “Curso de Literatura” permite encomendar alguns títulos em CD-ROM contendo informações acerca de alguns marcos da literatura portuguesa. É, também, possível viajar sem sair de casa, ao entrar nas “Fotos de Portugal”.

terça-feira, 8 de março de 2011

Dia Internacional da Mulher - um livro





Neste Dia Internacional da Mulher, fica aqui a sugestão de um livro que, na verdade, corresponde a cinco: os cinco volumes da História das Mulheres. O rigor da investigação histórica surge, aí, associado à beleza das imagens. Outra vantagem: existe na Biblioteca da Escola.

Dia Internacional da Mulher - uma música

John Lennon, Woman

Dia Internacional da Mulher - um poema

A Luz que Vem das Pedras


A luz que vem das pedras, do íntimo da pedra,
tu a colhes, mulher, a distribuis
tão generosa e à janela do mundo.
O sal do mar percorre a tua língua;
não são de mais em ti as coisas mais.
Melhor que tudo, o voo dos insectos,
o ritmo nocturno do girar dos bichos,
a chave do momento em que começa o canto
da ave ou da cigarra
— a mão que tal comanda no mesmo gesto fere
a corda do que em ti faz acordar
os olhos densos de cada dia um só.
Quem está salvando nesta respiração
boca a boca real com o universo?

                 Pedro Tamen, in "Agora, Estar"

domingo, 6 de março de 2011

Um filme para não leitores

Vejam, com atenção, até ao fim. Depois, saberão se são ou não leitores.


sábado, 5 de março de 2011

Porto Sentido

Um poema inspirado de Carlos Tê. Uma melodia lindíssima composta e cantada por Rui Veloso. O hino da cidade do Porto.


sexta-feira, 4 de março de 2011

Fialho de Almeida morreu há cem anos

Fialho de Almeida morreu há cem anos. Entre outras fontes também disponíveis na Biblioteca, é possível ler no Vidas Lusófonas, uma das ligações do nosso blogue, uma biografia deste escritor ainda pouco conhecido, apesar das suas enormes qualidades. No sítio da Biblioteca Nacional é possível ver alguns dos seus livros digitalizados: Contos e Os Gatos.
 A sua obra mais conhecida é exactamente esta última e é constituída por uma série de textos em que faz um retrato da sociedade portuguesa dos finais do século XIX. A linguagem aí usada, para além de rica e variada, é extremamente crua, mordaz e agressiva, o que lhe valeu algumas críticas dos seus contemporâneos. Para além disso, deixou uma obra de contista que merece maior atenção por parte dos leitores portugueses: Contos (1881), A Cidade do Vício (1882), Lisboa Galante (1890) e O País das Uvas (1893). Tendo sido contemporâneo de Eça de Queiroz, o retratista da burguesia, Fialho dedicou-se, sobretudo, a escrever sobre o povo.

Na nossa Biblioteca, existe um exemplar de O País das Uvas. Aqui fica, como aperitivo, o início do conto “A Velha”:

quarta-feira, 2 de março de 2011

Biografias lusófonas

No Vidas Lusófonas, é possível encontrar biografias originais de várias figuras ligadas ao mundo lusófono, ao longo dos tempos. É possível descobrir aí, por exemplo D. Afonso Henriques ou Santos Dumont, Agostinho Neto ou Ngungunhane. Existe, ainda, a possibilidade de fazer uma busca por ordem alfabética ou por ordem cronológica, para além de ser possível conhecer o currículo dos autores das biografias, o que no mundo da Internet é uma raridade sem preço.
Outros recursos preciosos são a Varanda sobre o Tempo e o Vasto Mundo, com biografias exteriores à lusofonia, e a Tábua Cronológica, que permite uma visão integrada na HIstória de vários biografados.
Como curiosidade final, qualquer um pode escrever uma biografia e propor a sua publicação , desde que esteja disposto a cumprir as normas estilísticas, que podem ser conhecidas através de uma das ligações visíveis no lado esquerdo.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Centenário da República - uma viagem no tempo


Por iniciativa da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, foi criado o siteRepública das Crianças”. Há nove ligações possíveis que permitem, entre muitas outras possibilidades, ver pequenos vídeos de acontecimentos da época, consultar manuais escolares, espreitar fotografias das escolas da Primeira República ou ler histórias. É uma verdadeira viagem no tempo.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Um portão para a História







O ARQNET é, nas palavras do próprio site, "O Portal de História”. Aí chegados, apercebemo-nos de que a quantidade de informação é apreciável e organizada com grande limpidez.

Descendo lentamente o elevador, começamos por encontrar ligações para alguns momentos da História de Portugal, como a nossa participação da Primeira Guerra Mundial ou acontecimentos relacionados com o Liberalismo. Nos "Temas de História de Portugal", é possível ver uma lista de todos os chefes de Estado, desde Afonso Henriques, para além de se poder consultar várias biografias. No fim da descida, passamos à História Universal, com referências à Segunda Grande Guerra ou às Cruzadas e até uma pequena história do Volkswagen "Carocha".

Do lado esquerdo estão vários botõezinhos de conteúdos mui apetitosos, de que podemos realçar "Pontos de Vista", "Almanaque" e "Biografias". Se carregar em "Perguntas", ficará a saber, entre outras coisas, que o autor do site aguarda, ansioso, por colaboradores.

Para o fim, uma curiosidade. Do lado direito de quem entra, está a secção "Outros locais". A primeiro ligação conduz à a transcrição do – sustenham a respiração enquanto lêem o título - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico abrangendo A minuciosa descrição histórica e corográfica de todas as cidades, vilas e outras povoações do continente do Reino, Ilhas e Ultramar, monumentos e edifícios mais notáveis, tanto antigos como modernos; biografias dos portugueses ilustres antigos e contemporâneos, célebres por qualquer título, notáveis pelas suas acções, pelos seus escritos, pelas suas invenções ou descobertas; bibliografia antiga moderna; indicação de todos os factos notáveis da história portuguesa, etc., etc. Obra ilustrada com centenares de fotogravuras e redigida segundo os trabalhos dos mais notáveis escritores por Esteves Pereira e Guilherme Rodrigues. Já podem respirar. Vão lá navegar, agora.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Dicionário de Língua Portuguesa na internet

Se não tiverem por perto um dicionário de papel, podem usar a internet para consultar o Dicionário Priberam de Língua Portuguesa. Na apresentação, pode ler-se o seguinte.

O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (DPLP) é um dicionário de português europeu (de Portugal) que contém cerca de 97 000 entradas lexicais, incluindo locuções e fraseologias, e que permite a consulta de definições, com sinónimos e antónimos por acepçãoaceção, subentradas e locuções. Em alguns casos é também possível consultar informação sobre a origem da palavra e a sua pronúncia, sobre a conjugação verbal e sobre equivalentes de e para espanhol, francês e inglês.

Imaginando que estão interessados em saber o significado de “imarcescível”, por exemplo, é só escrever no espaço à esquerda do botão “Ver definição” a palavra cujo significado desejam conhecer, premindo, de seguida, o referido botão. É claro que não vamos divulgar aqui o significado: isto é um blogue, não é um dicionário.
Extremamente útil é a possibilidade de, no caso dos verbos, cada entrada dar acesso à conjugação, usando a ligação “Conjugar”.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Clube de Matemática - números em pose descontraída

A página da Sociedade Portuguesa de Matemática, entre muitas ligações possíveis, inclui a do Clube de Matemática, onde é possível, de modo mais informal, adquirir vários conhecimentos. É possível, por exemplo, ler uma entrevista ao chefe de cozinha Hélio Loureiro (entre outras coisas, cozinheiro da Selecção Nacional de Futebol) ou aprender anedotas com temas matemáticos. É possível, afinal, aprender Matemática.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Corrector ortográfico em linha










Se seguir esta ligação, entrará num corrector ortográfico on-line. Como funciona? Bastará que escreva uma palavra, uma frase ou um texto. Depois de carregar no botão “Verificar texto”, aparecerão as indicações dos erros: os sintácticos estarão sublinhados a verde; os ortográficos, a vermelho. Para além disso, o próprio programa fará sugestões de correcção. Não substitui o dicionário e não dispensa o prontuário, mas trata-se de uma ferramenta muito útil para resolução de dúvidas. Passará a constar das Ligações deste vosso blogue, aqui mesmo, à direita de quem entra.  

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Plano Nacional de Leitura na internet

 
Vale a pena passar pelo site do Plano Nacional de Leitura. Uma vez entrados, assistimos a uma dança de livros que permitem o acesso a várias páginas. Para além da possibilidade de acedermos a informações sobre actividades e eventos do plano nacional de leitura, podemos  ficar a conhecer novos autores (clicando em “Novas leituras”) ou consultar estudos sobre leitura. Trata-se de um instrumento útil para alunos, pais e professores.
De todo este menu, merece realce a secção “Biblioteca de Livros digitais”: aí, o internauta pode ler livros directamente no ecrã, livros que, em muitos casos, têm animação e permitem a interactividade.  

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Google Art Project - o grande museu virtual



O googleartproject.com é mais um projecto da Google e permite-nos apreciar cerca de 1000 obras da autoria de mais de 400 artistas.

Os parceiros deste projecto são alguns dos mais conhecidos museus de todo o mundo, como o MoMA, de Nova Iorque, ou o Hermitage, de São Petersburgo, ou a National Gallery, de Londres, entre outros.

É possível, graças aos milagres da tecnologia, ver pormenores mínimos dos quadros expostos neste imenso museu virtual. Podemos, ainda, navegar pelos museus, tal como acontece no Google Street, passando de sala para sala e temos, ainda, a possibilidade de criar as nossas próprias colecções.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Quadras de S. Valentim


Celebrar o rei dos sentimentos nunca é demais!
A Poetria convida todos os jovens, dos 8 aos 14 anos, a participarem no "Concurso de quadras de S. Valentim".
Cada aluno poderá concorrer com uma ou mais quadras sobre o tema do amor, desde que cada quadra seja assinada com um pseudónimo distinto.
A data limite para a submissão das quadras é o dia 12 de fevereiro de 2011.
O amor está no ar, e não acaba nunca!
Informa-te na biblioteca da escola.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Oficina de escrita criativa "Cartas e Vinho"


No próximo dia 11 de Fevereiro, sexta feira, os nossos alunos do 5ºA e do 6ºB vão participar numa visita orientada ao Museu do Vinho do Porto, seguida de actividades no âmbito da oficina de escrita criativa "Cartas e Vinho".

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Dar Voz à Poesia


A Câmara Municipal de Ovar e a Escola Secundária Júlio Dinis vão realizar a 15ª Edição do Concurso Literário “Dar Voz à Poesia”, iniciativa que pretende envolver as comunidades escolares, a nível local, regional, nacional e internacional numa actividade artística, incentivando o aparecimento de novos valores no campo da poesia e motivando para a escrita do texto poético.
Com uma temática livre, o concurso conta com os escalões nacional - aberto a alunos de todos os graus de ensino, docentes e membros de associações de pais; e internacional - destinado a emigrantes de nacionalidade portuguesa, cidadãos de países de língua oficial portuguesa e estudantes de língua portuguesa. Cada participante poderá enviar até três poemas, obrigatoriamente individuais, originais e inéditos. O prazo de inscrição e envio de poemas termina a 31 de Março de 2011.
Na sua 15ª edição, o “Dar Voz à Poesia” é já um concurso de projecção e, todos os anos, centenas de poemas são recebidos. “Dar Voz à Poesia” é também o nome da colectânea que reúne todos os premiados e que é publicada de três em três anos, sendo que a V Colectânea deverá ser publicada em 2012.
Pelo valor e qualidade, pelo elevado grau de participação, pelas parcerias que envolve, o “Dar a Voz à Poesia” é uma iniciativa que a Câmara Municipal de Ovar e a Escola Secundária Júlio Dinis pretendem manter e aprofundar.

Informa-te na biblioteca da escola!